Trabalho e redes sociais podem ser gatilhos para a ansiedade

Excesso de horas trabalhadas, cobranças abusivas e uso do WhatsApp podem agravar quadro

São Paulo

O desenvolvimento de transtornos de ansiedade é um dos grandes problemas na área da saúde, na atualidade, e o trabalho tem grande participação nisso. O excesso de horas trabalhadas, cobranças abusivas e a tecnologia que deixa as pessoas conectadas o tempo todo são alguns dos exemplos de situações que podem desencadear a ansiedade.

"O que a gente tem observado é que as pessoas trabalham muito mais do que o horário previsto. Mensagens de WhatsApp ou email sobrecarregam. Ela está trabalhando [a mais] e ela responde essas mensagens fora do trabalho também. Existe também uma exigência permanente de qualificação. O famoso slogan 'fazer mais com menos' parece estar colado na testa das pessoas o tempo todo", avalia Ana Carolina Lemos Pereira, doutora em Saúde Coletiva pela Unicamp.

Professora de psicologia da PUC-Campinas, ela explica que é importante construir uma outra forma de se relacionar com o trabalho. "A gente passa um terço da nossa vida trabalhando. É bem difícil dizer que o trabalho não está relacionado com este processo de adoecimento. O trabalho é central e deve ser considerado na avaliação do sofrimento mental das pessoas", diz.

"As pessoas associam a ansiedade sempre À fraqueza, à falta de Deus, a não dar conta e é horrível isso porque é um processo de adoecimento como qualquer outro", conta a especialista.

Afastamentos entre servidores públicos municipais motivados por transtornos mentais, como problemas relacionados à ansiedade e síndrome do pânico - Rubens Cavallari - 30.mai.19/Folhapress

Segundo a Organização Mundial da Saúde, Brasil é o país com o maior número de pessoas ansiosas do mundo, com cerca de 18 milhões.

Ana Carolina explica que, além do trabalho, redes sociais e as relações pessoais também podem ser outros gatilhos. "O sujeito moderno se cobra muito. Tem que atender muitas expectativas. Não pode ser frágil, tem que estar o tempo todo rindo na foto, no Facebook. A ansiedade se expressa individualmente nas pessoas, mas muitas vezes, é sintoma de questões sociais."

Para ela, não existe uma resposta pronta para os distúrbios da ansiedade. "A gente precisa encarar o sofrimento mental como uma coisa complexa. Não dar respostas prontas porque corremos o risco de falar coisas que não são reais e contribuir para a estigmatização das pessoas", conta.

Preconceito atrapalha busca por tratamento

O preconceito em relação à doença também é um dos fatores que podem desencadear ou agravar a ansiedade. Isso porque as pessoas demoram para admitir o problema e para procurar ajuda. Além disso, não entender o que está acontecendo cria um ambiente propício para o transtorno.

"Eu acho que as pessoas têm preconceito, não só em relação à ansiedade, mas em relação à doença mental. Todos nós temos momentos de tristeza e angústia. Em algum momento a gente vai se confrontar com o sofrimento mental e a negativa disso é a negativa da vida real. Se exige muito que as pessoas estejam o tempo todo antenadas, sejam polivalentes, e se você admite estar ansioso, é como se você dissesse que não está dando conta, no senso comum. E falar do sofrimento mental causa desconforto", explica Ana Carolina.

"Os melhores tratamentos são combinados [terapia e medicamentos]", diz Henrique Bottura, psiquiatra colaborador do ambulatório de impulsividade do Hospital das Clínicas de São Paulo. Ele lembra que em alguns casos a ansiedade pode evoluir e apresentar complicações. "Depressão e ansiedade se falam muito. Uma pode evoluir para a outra", diz.

Saiba mais

O que é?

  • A ansiedade estimula as ações do dia a dia. Em excesso, faz exatamente o contrário, impedindo reações

Quando vira doença?

  • Existem diversos transtornos da ansiedade. Eles têm sintomas muito mais intensos do que aquela ansiedade normal do cotidiano

Principais transtornos

  • Fobia específica

Medo desproporcional a objetos e/ou situações como sangue, injeção ou voar de avião, por exemplo

  • Transtorno de ansiedade social: 

Medo desproporcional em relação a situações sociais (encontro com pessoas que não são familiares)

  • Agorafobia 

Medo desproporcional em situações de uso de transporte público, espaços abertos ou lugares fechados

  • Transtorno de ansiedade generalizada: 

Medo desproporcional em diversos âmbitos da vida, como trabalho ou escola

  • Transtorno de pânico: 

Algumas pessoas têm ataques de pânico recorrentes. O transtorno de pânico é o medo de que esses ataques aconteçam, o que faz com que a pessoa acabe evitando situações ou mudando seu comportamento

Sintomas

Emocionais

  • Sensação contínua de que um desastre vai acontecer
  • Preocupações exageradas com saúde, dinheiro, família ou trabalho
  • Medo extremo de algum objeto ou situação em particular
  • Medo exagerado de ser humilhado publicamente
  • Falta de controle sobre os pensamentos
  • Preocupação excessiva
  • Pensamentos acelerados
  • Dificuldade de relaxar
  • Irritabilidade
  • Dificuldade de concentração

Físicos

  • Suor excessivo
  • Dificuldade de respirar
  • Tonturas
  • Aceleração dos batimentos cardíacos
  • Tremores
  • Enrijecimento muscular

Tratamento

  • Medicamentos 
  • Psicoterapia
  • Combinação dos dois tratamentos

Fontes: Ministério da Saúde e Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.