Prefeitura de SP já interditou 403 comércios não essenciais

Região da Sé, no centro, lidera com 140 estabelecimentos fechados

São Paulo

A Prefeitura de São Paulo interditou 403 comércios não essenciais desde o início da quarentena decretada pelo governo estadual, em 24 de março, até esta segunda-feira (18). A região da Sé, no centro da cidade, lidera com 140 fechamentos. Ela é seguida por Aricanduva, com 34, Mooca, 29, e Freguesia do Ó, com 28 (veja quadro completo abaixo).

Estes quatro bairros lideravam a listagem feita pela gestão Bruno Covas (PSDB), na última quarta-feira (13). Na ocasião, o governo municipal havia interditado 368 estabelecimentos. Comparados aos 403 casos atuais, houve aumento de 9,5%.

A maioria das lojas da região da Sé continua fechada, mas 135 burlaram o decreto da prefeitura e foram interditados desde o início da quarentena - Eduardo Knapp - 30.abr.20/Folhapress

Além de terem suas lojas fechadas, até o fim da quarentena, o comerciante ainda tem de pagar uma multa de R$ 9.200. Em caso de resistência, ele pode até ter cassado o alvará de funcionamento ou Termo de Permissão de Uso/Autorização Temporária.

Segundo a prefeitura, o objetivo da fiscalização não é multar os estabelecimentos, mas garantir que os não essenciais fiquem fechados para evitar aglomerações de pessoas durante o período de quarentena.

O governo esclarece que a fiscalização é realizada diariamente nas 32 subprefeituras da capital.

Interdições por região

  • Sé 140
  • Aricanduva 34
  • Mooca 29
  • Freguesia do Ó 28
  • Santo Amaro 25
  • Lapa 21
  • Guaianases 19
  • Vila Prudente 17
  • Cidade Ademar 13
  • Sapopemba 13
  • Itaquera 10
  • Casa Verde 6
  • São Miguel Paulista 9
  • M'Boi Mirim 8
  • Perus 7
  • Pirituba/Jaraguá 6
  • Penha 3
  • Jaçanã 3
  • Ermelino Matarazzo 2
  • São Mateus 2
  • Itaim Paulista 2
  • Ipiranga 2
  • Santana/Tucuruvi 2
  • Campo Limpo 1
  • Parelheiros 1

Fonte: Prefeitura de São Paulo

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.