Ao menos 44 pessoas morreram à espera de vaga de UTI para Covid em SP

Levantamento feito com 60 cidades paulistas indica que em 15 delas foram solicitados leitos, mas pedidos não foram atendidos

São Paulo

Em levantamento feito em cidades da Grande São Paulo, interior e litoral, a reportagem constatou que ao menos 44 pessoas morreram à espera de leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) para atendimento dos casos de Covid-19 neste mês de março.

A reportagem procurou 60 administrações municipais (9,3% do total de 645 cidades paulistas), incluindo as 40 com mais de 200 mil habitantes e que, geralmente, comportam os hospitais de alta complexidade, que oferecem serviços tais como o de UTI e tratamentos mais complexos, como hemodiálise, necessários para tratar doenças nos rins, um dos principais problemas de quem enfrenta casos graves de Covid-19.

Dos 60 municípios procurados, 34 responderam até a publicação desse texto. E, destes, 15 informaram que pessoas morreram à espera de leitos de UTI.

O maior número de mortes ocorreu na cidade de Taboão da Serra (Grande São Paulo), com 12 casos. O último desses casos foi na manhã de quarta-feira (10). Internada desde o último sábado (6), quando foi solicitada a transferência via Cross (Central de Regulação de Ofertas de Serviços de Saúde), uma mulher de 82 anos morreu. A Prefeitura de Taboão da Serra informou que ela apresentava comorbidades, como hipertensão e diabetes. Outros 12 pacientes graves ainda aguardam transferência para leitos de UTI.

0
UPA de Taboão da Serra, na Grande São Paulo, onde 12 pessoas já morreram à espera de leito de UTI - Foto: Rubens Cavallari/Folhapress

Em Ribeirão Pires, também na região metropolitana, mais quatro pessoas morreram à espera de leitos, sendo dois homens (64 anos e 78 anos), e duas mulheres (de 68 anos e 71 anos). Todos morreram entre a noite de quarta-feira e na manhã desta quinta-feira (11).

Todos estavam internados em serviços públicos de saúde da cidade à espera de leitos de UTI, já que o quadro de saúde que apresentavam era grave. Agora, no total, são seis mortes na cidade à espera de leitos de UTI, já que outras duas já haviam sido registradas.

Ainda em Ribeirão Pires, outras 15 pessoas aguardam vagas na fila do sistema estadual.

A saturação do sistema atinge até a pequena cidade de Buri, com cerca de 20 mil habitantes, distante 264 km da capital paulista. O município registrou três mortes de pessoas que estavam na fila de uma vaga de UTI para Covid. Um dos casos foi o de um homem de 70 anos, internado desde o dia 1º de março e morto na última segunda-feira (8). “É uma tristeza só. O colapso chegou até aqui. Nunca vi situação tão triste”, afirmou a enfermeira Elaine Vieira Campos, atuando há 15 anos na profissão.

Saturação

Em entrevista coletiva realizada na tarde desta quinta-feira (11) no Palácio dos Bandeirantes, o secretário estadual da Saúde, Jean Gorinchteyn, afirmou que ao menos 370 pessoas aguardam vagas de UTI para Covid em todo o estado, entre os 1.065 pedidos feitos. Ao todo são 1.930 pedidos (incluindo outra doenças e acidentes).

Na primeira semana de março, em média, foram recebidos cerca de 1.000 pedidos de leitos de internação de pacientes acometidos pela Covid-19, número 45% superior à média diária de 690 solicitações registradas em junho de 2020.

Segundo Gorinchteyn, nesta quinta-feira 53 municípios paulistas atingiram 100% de taxa de ocupação de leitos de UTI para Covid-19, número 41,5% superior ao registrado na última segunda-feira (8), quando 31 cidades apresentavam essas condições.

A reportagem constatou que o problema começa a afetar cidades que reúnem grandes centros hospitalares e que são referência na região onde se encontram, como no caso de São José do Rio Preto, no noroeste paulista. Além de estar com 100% de ocupação nos leitos, existem 40 pessoas em situação grave à espera de um leito de UTI Covid.

É o caso também de Araraquara, perto de saturar, já que está com 91% de ocupação nos leitos de UTI Covid e 83% de enfermaria. Por ser um polo regional, também recebe pacientes de outras cidades. Dos 193 internados na UTI Covid, 50 são de outras cidades.

​Bauru informou estar operando acima do limite de sua capacidade, 106%. Metade dos pacientes que mantém sob seus cuidados é de fora da cidade.

Lista

  • Taboão da Serra 12
  • Bauru 4
  • Buri 3
  • Caieiras 1
  • Diadema 1
  • Dracena 3
  • Franco da Rocha 4
  • Irapuã 1
  • Itapecerica 1
  • Presidente Prudente 2
  • Nova Granada 3
  • Ribeirão Bonito 1
  • Ribeirão Pires 6
  • Rio Grande da Serra 1
  • Tabapuã 1
Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.