Descrição de chapéu Coronavírus

Cinco crianças são vacinadas por engano contra a Covid-19 no ABC paulista

Um menino de 4 anos vomitou e ficou com sonolência no mesmo dia em que tomou uma dose da Coronavac, no lugar da imunização contra a gripe, segundo seu pai

São Paulo

Cinco crianças, com idades entre sete meses e quatro anos, foram vacinadas por engano contra a Covid-19, na quarta-feira (14), em uma UBS (Unidade Básica de Saúde) de Diadema (ABC). O erro foi identificado posteriormente pela Secretaria Municipal da Saúde, relatando-o aos responsáveis pelos menores no mesmo dia.

Funcionárias da unidade de saúde foram afastadas enquanto o caso é apurado. As crianças serão monitoradas por um mês e meio.

Parentes das crianças do ABC acreditavam que elas estavam sendo imunizadas contra a gripe, cuja campanha de vacinação começou na segunda-feira (12).

Também na quarta, outras 46 pessoas foram vacinadas por engano, contra o novo coronavírus no interior de São Paulo, sendo que entre elas havia 28 crianças e uma gestante. Na terça (13), 103 agentes da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) tomaram a vacina contra a Covid-19, no lugar da da gripe, por causa de um email enviado com erro pela Secretaria Municipal da Saúde, gestão Bruno Covas (PSDB).

O auxiliar de mecânico Agnaldo Ribeiro da Silva, 49 anos, é um dos pais das crianças vacinadas por engano. Ele levou o filho de 4 anos à UBS Jardim das Nações, no bairro Taboão, por volta das 8h30 de quarta-feira. No local, a criança foi vacinada e, em sua carteirinha, anexado um adesivo referente à um imunizante contra a influenza.

“Depois disso, deixei meu filho com uma cuidadora, pois precisava trabalhar. Por volta das 17h, quando já tinha voltado do serviço, vieram [à casa dele] três funcionários falando que tinha dado a dose errada para o meu filho e pediram para ir com eles para UBS”, relembra o auxiliar.

Ele acrescentou que seu filho chegou a vomitar e também ficou sonolento após receber a Coronavac, imunizante fabricado pelo Butantã em parceria com chinesa Sinovac, que na bula indica a aplicação somente em pessoas maiores de 18 anos. O instituto afirmou ao Agora, nesta sexta-feira (16), que nem estudos clínicos, de fase 3 — com aplicação da vacina em humanos— estão sendo feitos em crianças no momento.

0
Profissional da saúde segura ampola com imunizante em unidade de saúde da capital paulista - Rivaldo Gomes/28. jan. 2021/Folhapress

Silva disse que, de volta à UBS, o adesivo referente à dose da gripe foi retirado da carteirinha da criança. Profissionais da saúde também afirmaram ao homem que a situação de seu filho seria monitorada, para qualquer eventual problema por causa da Coronavac.

“É um absurdo isso acontecer e, ainda mais, com cinco crianças em horários diferentes. Toda nossa família está abalada, porque um erro assim é uma coisa muito grave. Desde este dia não consigo mais ir trabalhar, com medo de que alguma coisa possa acontecer com o meu menino”, afirmou o auxiliar.

Quando ele concedeu entrevista ao Agora, por volta das 12h20 desta sexta, Silva afirmou que o filho estava melhor e não apresentava nenhum sintoma adverso decorrente da vacina.

No dia seguinte ao erro da UBS, acrescentou o pai, ele foi ao 3º DP de Diadema, onde registrou um boletim de ocorrência, não criminal, de “perigo para a vida ou saúde de outrem.”

Os pais de outras duas crianças, de sete meses e de quatro anos, também registraram na mesma delegacia a denúncia sobre a aplicação do imunizante errado.

"Chance de dar problema é pequena", afirma infectologista pediátrico

Marcio Nehab, infectologista pediátrico do Instituto Fernandes Figueira, da Fiocruz, classificou como “gravíssimo” o erro da unidade de saúde do ABC, mas também acrescentou que a chance da aplicação da vacina “dar problema, é muito pequena”, com base na literatura médica sobre o assunto.

“Agora, é grave a aplicação da vacina errada em criança. Precisam [Prefeitura de Diadema] investigar isso para entender o que aconteceu. Do ponto de vista clínico, é um absurdo.”

O médico, também integrante da Sociedade Brasileira de Infectologia, disse ainda que não pode afirmar com certeza nada sobre eventuais efeitos colaterais da Coronavac em crianças, pois os estudos do imunizante neste perfil de público ainda estão em desenvolvimento, da mesma forma que em adultos.

“Mas eu não creio que vai dar grandes problemas, quando começar a vacinar crianças. Mas, antes disso, os estudos precisam indicar quando e como as doses devem ser aplicadas.”

Resposta

A Prefeitura de Diadema, gestão José Filippi Júnior (PT), afirmou ter afastado funcionárias "envolvidas no ocorrido", sem especificar quantas, além de "condenar veementemente" a aplicação errada da Coronavac nas cinco crianças, o que foi "um caso isolado" e que serve para a "ampliação dos cuidados" para a administração de imunizantes na cidade.

"Já está sendo aberto um processo administrativo para apuração dos fatos e das responsabilidades dos envolvidos, para adoção das medidas cabíveis em relação ao ocorrido", diz trecho de nota.

Assim que identificou o erro, a Secretaria Municipal da Saúde convocou os pais das crianças para esclarecer a situação e dar orientações, como a de que os menores serão acompanhados por 42 dias por ruma médica exclusivamente escalada para isso.

"A Secretaria de Saúde preza pela segurança e lisura das Campanhas de Vacinação e tranquiliza os pais sobre o processo realizado nas 20 UBSs do município e que segue as diretrizes da Vigilância à Saúde e Atenção Básica. A vacinação Covid-19 e a vacinação de Influenza estão sendo feitas em salas separadas para que não haja cruzamento de fluxo dos pacientes adultos com crianças", acrescentou a pasta.

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.