Jogo entre CSA e Peixe tem duelo de baixinhos

O experiente Madson e o garoto Soteldo, ambos com 1,60 m, tentam infernizar as defesas adversárias

Luís Marcelo Castro

“Tamanho não é documento”, prega um famoso ditado popular no Brasil. No duelo entre CSA e Santos, às 16h, em Maceió (AL), os baixinhos Soteldo e Madson estão dispostos a provar a veracidade da frase e fazer a diferença para suas equipes.

Em sua apresentação no CSA, o jogador Madson, vestindo a camisa do clube, posa para foto e faz sinal de joia com a mão direita
Madson, que defendeu o Santos entre 2009 e 2011, hoje é destaque do CSA - Divulgação/Facebook

Jogador do Peixe entre 2009 e 2011, o meia Madson, 32 anos, reencontra o ex-clube depois de mostrar, contra o Palmeiras, que ainda tem futebol para queimar. O jogador fez sua estreia como titular no time alagoano e se destacou no empate por 1 a 1 com o time do técnico Luiz Felipe Scolari.
¦Depois de deixar o Alvinegro Praiano, Madson defendeu o Athletico-PR, passou seis anos no Al Khor, no Qatar, e teve uma passagem relâmpago pelo Fortaleza _saiu por causa de rusga com o técnico Rogério Ceni, que o acusou de estar acima do peso. Em Alagoas, o carioca de 1,60 m quer mostrar que ainda tem bons passes, velocidade e a desenvoltura com a bola que o levaram a ser chamado de Madshow pela torcida santista.

“Tenho um carinho muito grande pelo Santos e torço por eles quando não estão jogando contra o time que vou defender. Tem um sabor especial, claro, porque tenho residência lá, mas hoje defendo o CSA e espero dar o meu melhor no jogo”, disse o baixinho, que foi campeão paulista e da Copa do Brasil de 2010 na Baixada.

No lado do Santos, outro baixinho vem ganhando destaque com seus dribles e passes e agradando à torcida e ao técnico Sampaoli.

Vestindo a camisa do Santos, o santista Soteldo faz sinal de joia com as duas mãos durante sua apresentação no CT Rei Pelé. Atrás dele aparece um banner do clube com logotipos de patrocinadores
O venezuelano Soteldo veste a camisa do Peixe em sua apresentação - Ivan Storti/Santos FC

Contratado por R$ 13 milhões do Huachipato, do Chile, o venezuelano Yeferson Soteldo, também de 1,60 m, já foi alvo de brincadeiras dos companheiros, que colocaram uma cadeirinha de criança para ele no refeitório da equipe, e bateu boca com um torcedor nas redes sociais que o provocou por causa da estatura. Mesmo assim, o jovem de 21 anos, assim como Madson, trabalha para aproveitá-la em seu benefício. Desde janeiro, fez três gols em 19 jogos e ganhou uma vaga de titular no concorrido ataque alvinegro.

“Eu aproveito e dou graças a Deus por essa altura, não digo que é difícil. Trabalho muito o físico e a velocidade, pois assim eu posso ter vantagem. É um longo processo, de muito sacrifício. O primeiro é convencer a si mesmo, pois se eu tiver dúvida, fica tudo mais difícil”, disse logo na chegada ao Peixe.

Se depender dos intrépidos baixinhos, as defesas dos dois times que se cuidem.
 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.