Descrição de chapéu INSS

Ainda dá tempo de se planejar para a aposentadoria

Reforma amplia a necessidade de poupar para não passar tanto aperto lá na frente

Marcela Marcos
São Paulo

Com a perspectiva de aprovação da reforma da Previdência, em que será necessário trabalhar mais tempo, depender somente do benefício previdenciário é cada vez mais arriscado. Além disso, ao pedir a aposentadoria, o segurado ainda tem que contar com a demora do INSS para liberar a renda, mesmo se já tiver cumprido os requisitos. O Agora traz dicas de especialistas para contribuir com um planejamento financeiro, ainda que tardio.

Não é mistério que, quanto mais cedo uma pessoa começa a fazer o pé-de-meia, maiores são as chances de ter um futuro financeiro mais tranquilo. Na prática, porém, não é tão simples. É comum não conhecer a fundo o próprio padrão de vida e perder de vista o quanto gasta, desde as despesas do dia a dia até as compras mais altas. 

“O mesmo hábito de poupar também é o de gastar, mas a maioria não poupa”, diz o educador financeiro Reinaldo Domingos, do canal “Dinheiro à Vista”. Ele sugere que guardar grana, por menor que seja o valor, deveria ser como pagar uma conta. “E mesmo uma conta, como de luz, se reduzida, pode fazer uma diferença, ainda que pequena, no orçamento”, ensina.

E, pensando lá na frente, o quanto antes começar a contribuir com a Previdência, melhor. “É importante que o segurado entenda que, seja como contribuinte facultativo ou individual, pagar INSS garante benefícios que vão além da própria aposentadoria, como auxílio doença”, pontua a advogada Adriane Bramante, presidente do IBDP (Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário). 

 

A especialista lembra, ainda, que quanto maior a idade do segurado, mais caros são os planos de saúde, entre outros gastos que também aumentam naturalmente com o tempo. 

Os autônomos ou contribuintes facultativos devem ter em mente que, quanto maior a contribuição, mais vantajoso será o salário de aposentadoria. “Para quem nunca se preocupou com isso, o primeiro passo é puxar o extrato do Cnis para conhecer seu patrimônio previdenciário e entender se precisa contribuir com um valor maior”, orienta a advogada Martha Gueller, do escritório Gueller e Vidutto.

PLANEJAMENTO FINANCEIRO | DICAS PARA OS SEGURADOS

1) Simule o valor da aposentadoria no site do INSS

  • Acesse o site www.inss.gov.br e clique em “Todos os serviços aos Cidadãos”
  • Na aba “Serviços”, no lado esquerdo, clique na opção “Simulações”
  • Na página seguinte, no item 3, é possível simular o cálculo da renda mensal
  • Preencha todas as informações solicitadas; depois, clique em “Não sou um robô” e, na sequência, em “Calcular renda mensal inicial”

Contribuições ao INSS

  • O segurado que está prestes a se aposentar, mas percebe que o valor do benefício não é compatível com seu padrão de vida, tem como opção esperar um pouco mais para dar entrada na renda e, enquanto isso, aumentar o valor de suas contribuições
  • Quem é autônomo não deve deixar de contribuir com o INSS, especialmente se conseguir efetuar pagamentos compatíveis com seus rendimentos

2) Tenha atenção especial aos gastos com saúde

  • O aposentado precisará de consultas periódicas com diversos especialistas, além de ter de fazer exames com mais frequência

Como manter o plano da empresa

  • Quem tem convênio empresarial com descontos mensais no salário poderá mantê-lo depois da aposentadoria
  • O aposentado pagará todo o valor do plano, incluindo a parte do patrão
  • Se ele contribuiu com o plano por dez anos ou mais, poderá manter o convênio por tempo indeterminado
  • Se ele pagou o plano por menos de dez anos, manterá o convênio pela quantidade de anos que contribuiu
  • Aposentados e demitidos podem mudar para qualquer convênio, independentemente do valor da mensalidade

Veja como economizar os remédios

  • Os medicamentos de uso contínuo são entregues nos postos de saúde do SUS com a receita médica em nome do segurado
  • Dependendo do medicamento, as farmácias de alto custo ou populares podem ajudar, caso os remédios não estejam disponíveis na rede pública

3) Faça um raio-X do padrão de vida

  • Quem está para se aposentar deve fazer uma análise honesta da própria situação
  • Não deixe escapar nada da ponta do lápis: gastos com água, luz, moradia, telefone, TV a cabo, internet, alimentação, saúde e lazer devem estar na conta
  • Ao se perguntar se teria como se virar sem ajuda de parentes ou de outras pessoas caso opte por não continuar no mercado de trabalho, a resposta tem de ser sincera
  • A solução é economizar e adequar o padrão de vida pensando em como será lá na frente

4) Hora de se aposentar

  • Não peça o benefício às pressas só por medo da reforma da Previdência
  • Quem tiver completado as condições de se aposentar até a aprovação final da reforma tem direito adquirido às regras atuais

5) Escolha a melhor opção de investimento

  • Quem já tem um pé de meia e quer saber como investir a grana depois que se aposentar deve avaliar bem os riscos e as características de cada tipo de investimento
  • Além da conhecida poupança, as aplicações em renda fixa, como CDB, são mais seguras e têm rentabilidade mais previsível
  • Os títulos públicos como Tesouro Direto têm como vantagem fugir da inflação, mas é preciso escolher bem a instituição e se certificar sobre as taxas de custódia que podem ser cobradas

Fontes: INSS; Reinaldo Domingos, educador financeiro do canal “Dinheiro à Vista”; Danilo Ardenghi, sócio-fundador da plataforma de investimentos personalizados Mais Retorno; advogadas Adriane Bramante, Marta Gueller e reportagem

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.