Descrição de chapéu Defesa do Cidadão

Leitor critica juros cobrados pela Crefisa

Aposentado diz que pagou a parcela, porém continua recebendo cobrança; veja outras queixas

Laíssa Barros Havolene Valinhos
São Paulo

O aposentado Antenor Eduardo dos Santos, 82 anos, de Diadema (Grande SP), afirma ter feito um empréstimo na Crefisa, pago todas as parcelas e, mesmo assim, continua sendo cobrado pela empresa.

“Em setembro de 2018 faltou dinheiro para fazer o velório do meu filho. Naquele momento de dor, fiz, sem pensar, um empréstimo na Crefisa. Peguei o valor de R$ 756 e parcelei em doze vezes de R$ 190, totalizando R$ 2.280. Tudo descontado direto do meu benefício. Em maio deste ano, eles ligaram e disseram que eu não paguei a parcela de maio. Não entendi, a parcela foi descontada direto da minha aposentadoria”, conta Santos ao Agora. 

Segundo o leitor, a empresa afirmou que não recebeu a quantia e que ele precisava pagar de alguma forma o valor. “Me enrolaram e agiram de má fé. Renegociaram a dívida por causa da fatura não paga. Agora afirmam que preciso pagar R$ 3.062 em oito parcelar. Não tenho esse dinheiro. Peço a intervenção do Defesa do Cidadão”, diz o aposentado. 

Gabriel Cabral/Folhapress

Empresa faz acordo com consumidor 

A Crefisa esclarece, em nota enviada por sua assessoria de imprensa, que fechou um acordo com o cliente e ele deverá pagar a empresa o valor de R$ 591, em três parcelas, a partir deste mês. Em novo contato com o Agora, o leitor confirmou que fechou o acordo com a empresa.  “Enfim o caso será encerrado, obrigado”, disse.

Outras reclamações 

Comgás

A atendente Sandra Aparecida Gonçalves, 52 anos, do Sítio Pinheirinho, Vila Prudente (zona leste), afirma que paga normalmente R$ 35 por mês no gás encanado. Porém, ela reclama que a Comgás lhe mandou uma conta no valor de R$ 54. “Reclamei e fui informada de que o valor estava correto. É um absurdo.” 


Resposta

 A Comgás informa que não há irregularidade na cobrança. A empresa diz ainda que entrou em contato com a cliente para prestar os devidos esclarecimentos sobre o cálculo da fatura. Em novo contato com o Agora, a leitora confirmou a informação.


Vivo 

O jornaleiro Ginaldo Lucas de Almeida, 52 anos, de Franco da Rocha (Grande SP), diz que ficou sem o sinal de internet da Vivo por 60 dias. O leitor reclama que a empresa não o ressarciu pelo período em que o serviço apresentou falha. “É um absurdo. Quero que eles me devolvam o dinheiro dos dias sem internet.” 


Resposta

A Vivo informa, por meio de nota, que entrou em contato com o cliente para prestar os esclarecimentos necessários. Em novo contato com o Agora, o leitor disse que o caso continua sem solução. “A Vivo não libera o sinal de internet, mas continua me cobrando”, disse.

Net 

A professora Andresa Silva Brito, 37 anos, de São Miguel Paulista (zona leste), afirma que é assinante da Net e entrou em contato com a operadora para reduzir o valor do plano de internet. “Mudaram o pacote, mas estão cobrando um ponto de TV que deveria ser gratuito.” 


Resposta 

A Net informa que entrou em contato com a cliente e solucionou o caso. A operadora diz ainda estar à disposição. “Prometeram descontar o valor cobrado a mais na próxima fatura”, disse a leitora.

TIM

"A TIM me ofereceu um plano de telefone móvel no valor de R$ 64,99, porém eles cobram acima do valor combinado. Reclamei diversas vezes, mas a operadora não resolve o problema. Isso é um absurdo" - 
Nelson Nunes Rodrigues, 64 anos


Resposta

A TIM afirma, por meio de nota de assessoria de imprensa, que esclareceu ao cliente que o valor se deve ao reajuste anual do plano e também à cobrança de chamadas de longa distância por código diferente da operadora. 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.