Veja quando compensa a tarifa branca na conta de luz

Modalidade permite cobrança de energia de acordo com horário e dia da semana

São Paulo

Desde a última quarta-feira (1º), os consumidores já podem aderir a uma nova modalidade de cobrança que pode deixar a conta de luz mais barata.

É a chamada tarifa branca, em vigor desde 2018, mas que apenas agora passou a valer para todas as unidades de baixa tensão (como residências e pequenos comércios), independentemente da quantidade total de consumo.

A novidade da tarifa branca é que, aderindo a ela, a energia elétrica é cobrada em função do horário do dia e dia da semana.

De segunda a sexta-feira são três níveis de cobrança: ponta (mais caro), intermediário e fora de ponta (mais barato).

O intuito, segundo a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), é estimular o consumo de luz fora dos horários de pico mais convencionais do brasileiro.

Cada faixa de horário e preços correspondentes variam de acordo com a concessionária distribuidora de energia (Enel, CPFL, Piratininga etc.), mas, de uma forma geral, os horários mais caros são aqueles em que a maioria dos brasileiros chega do trabalho, no início da noite.

Para consultar a tabela de valores e horários, bem como para solicitar a mudança, é preciso entrar em contato com a distribuidora correspondente, por meio dos canais de atendimento.

A troca de modalidade é opcional, explica a Aneel, e justamente por isso o consumidor deve avaliar seu perfil de consumo antes de fazer a adesão.

“A tarifa branca não é recomendada se o consumo for maior nos períodos de ponta e intermediário e não houver possibilidade de transferência do uso dessa energia elétrica para o período fora de ponta.”

Nessas situações, o valor da fatura pode subir. Caso queira, o consumidor pode voltar ao modelo de cobrança anterior (convencional).

Conta de luz | Nova cobrança​

  • A tarifa branca está disponível para consumidores de baixa tensão (residências e pequenos comércios)

  • O valor cobrado pela energia é mais barato nos dias e horários em que a população costuma usar menos eletricidade

  • Quem define as faixas de preços que serão aplicadas a cada faixa de horário é a Aneel (agência reguladora) e varia de acordo com a distribuidora (Enel, CPFL, Piratininga etc.)

  • A adesão à tarifa branca ou a permanência no modelo tradicional de cobrança são opcionais

  • No caso da cidade de São Paulo e de outros 23 municípios paulistas, essas definições cabem à Enel

Veja as faixas de preço da Enel

Faixa horária Preço (por kWh)
Horário de maior consumo Das 17h30 às 20h30 R$ 0,96
Horários intermediários Das 16h30 às 17h30 e das 20h30 às 21h30 R$ 0,62
Horário com menor consumo Demais horários, fins de semana e feriados R$ 0,43

Tarifa convencional (sem aderir à tarifa branca): R$ 0,51 por kWh

Para quem compensa a tarifa branca

Considerando consumidores da Enel, a tarifa branca compensa mais para quem gasta mais energia elétrica fora dos horários de pico (das 17h30 às 20h30)

Exemplos:
*Considerando-se apenas o consumo de um chuveiro elétrico, já incluindo o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços)
Outras taxas e a bandeira tarifária não estão inclusas

A) O consumidor toma banho de 20 minutos, às 20h, de segunda a sexta

Preço do consumo com tarifa convencional Preço do consumo com tarifa branca
R$ 12,03 R$ 22,41

Resultado: para essa pessoa, compensa ficar na TARIFA CONVENCIONAL

B) O consumidor toma banho de 20 minutos, às 22h30, de segunda a sexta

Preço do consumo com tarifa convencional Preço do consumo com tarifa branca
R$ 12,03 R$ 10,19

Resultado: para essa pessoa, compensa aderir à TARIFA BRANCA

Simulação

No site da Enel, o consumidor pode fazer uma simulação com eletrônicos e eletrodomésticos da sua casa e verificar se a tarifa branca vale a pena

Para consultar os períodos de cada distribuidora, acesse

  • http://www.aneel.gov.br/postos-tarifarios

Como aderir

  • A adesão por migração (troca de modalidade) deve ser informada à distribuidora de energia, que deve atender à solicitação em até 30 dias

  • A adesão de uma nova ligação, no caso de o consumidor querer iniciar o fornecimento com aplicação da tarifa branca, deve ser atendida em no máximo cinco dias (área urbana) e 10 dias (área rural)

Clientes da Enel podem aderir à tarifa branca pelos canais:

Nas lojas de atendimento: www.eneldistribuicao.com.br/atendimento/pontos-de-atendimento

Redes sociais da empresa:
Facebook (www.facebook.com/EnelClientesBR)
Twitter (https://twitter.com/enelclientesbr)

​É possível cancelar depois?

  • Se o consumidor quiser, pode solicitar a sua volta à tarifa convencional

  • A distribuidora terá 30 dias após o pedido para retornar o consumidor ao sistema convencional

  • Caso queira participar de novo da modalidade branca, há um período de carência de 180 dias

Bandeiras tarifárias

  • A adesão à tarifa branca não exclui a aplicação das bandeiras tarifárias (verde, amarela e vermelha)

  • Em janeiro, está em vigor a bandeira amarela, que tem custo de R$ 1,343 para cada 100 kWh consumidos

​Outras distribuidoras

  • O horário da tarifa branca varia conforme a concessionária responsável pela distribuição

  • A CPFL Paulista, que atende municípios nas regiões de Bauru, Campinas e Ribeirão Preto tem os seguintes horários:

Faixas horárias -
Horário de maior consumo Das 18h às 20h59
Horários intermediários Das 16h às 17h59 e das 21h às 21h59
Horário com menor consumo Das 22h às 15h59

Fontes: Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), Enel SP (distribuidora), CPFL e reportagem

Erramos: o texto foi alterado

A versão anterior desse texto informava incorretamente o início do horário intermediário da CPFL Paulista. A informação foi corrigida.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.