Consumidora reclama de fatura errada da Enel

Leitora se queixa ainda de dificuldade para esclarecer dúvidas sobre o valor alto da conta

São Paulo

A recepcionista Claudina Diniz Chagas, 40 anos, do Jardim Eledy (zona sul), reclama da dificuldade para esclarecer dúvidas com a Enel sobre sua conta de luz.

As faturas dos meses de março, abril e maio vieram zeradas, segundo Claudina. Ela conta que ligou na Enel para saber o motivo e foi avisada de que não estava sendo feita a leitura por conta da pandemia. A leitora mora somente com o marido e explica que a fatura não costuma ultrapassar os R$ 55.

Em junho, porém, Claudina levou um susto. A conta, que estava registrada como “em análise” pela empresa, chegou em R$ 132, o triplo do normal para seu consumo. Desempregada, ela está inscrita numa faixa de renda baixa e paga uma tarifa menor.

“Me deu um troço no coração quando vi esse valor”, diz. Como os meses anteriores não foram cobrados, ela diz que aceitou a explicação de que a empresa cobrou retroativo, mas com base no consumo dos últimos 12 meses. “Pagamos direitinho e agradeci, ficou por isso mesmo”, diz.

Após as contas corretas de julho e agosto, a empresa acusou que a de setembro estava, também, “em análise”. A leitora ligou novamente para a Enel para entender o que significava.

“Me deram explicações que eu não engoli, e a atendente me falou que eu teria que esperar dez dias para receber a conta. Dessa vez não vou pagar o que não consumi.”

Distribuidora revisa cobranças

Em nota, a Enel afirma que entrou em contato com a cliente e informou que entre os meses de março e maio, as faturas foram calculadas pela taxa mínima por não haver cobranças anteriores para que a companhia pudesse adotar a cobrança média pelo consumo, um procedimento adotado durante a pandemia.

A nota informa ainda que a empresa revisou as cobranças e deu um crédito para a consumidora, que foi usado para quitar a fatura de setembro e cujo restante será abatido na de outubro.

A cliente diz que a conta de setembro aparece zerada no aplicativo da distribuidora, e que irá ficar atenta para que o crédito de fato seja abatido no mês seguinte. “Espero que esse crédito seja usado corretamente, porque, pelo meu consumo normal, ainda vai sobrar para novembro”, diz.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.