Prefeitura de São Paulo afirma ter 38 mil buracos catalogados

Gestão Covas promete finalizar pedidos de tapa-buraco em 40 dias

Leonardo Zvarick
São Paulo

A Prefeitura de São Paulo, sob gestão Bruno Covas (PSDB), se comprometeu em zerar as demandas pendentes de tapa-buraco na cidade em até 40 dias. De acordo com mapeamento realizado pela Secretaria das Subprefeituras, orientado por solicitações abertas no canal SP156, existem cerca de 38 mil buracos catalogados nas ruas da capital _uma média de um a cada 500 metros de via, aproximadamente.

A promessa foi feita em entrevista coletiva realizada na manhã desta quarta-feira (3) na sede do governo municipal, quando foi anunciado o programa Mutirão nos Bairros. 

cone dentro de um buraco na rua com outros quatro cones em volta para alertar motoristas
Buraco na rua Álvaro Ramos em frente ao 1.840 no Tatuapé, na zona leste de São Paulo. A CET teve que colocar cones para desviar o transito - Rubens Cavallari/Folhapress

Segundo o secretário de Governo de Covas, Mauro Ricardo, os recursos para zeladoria do município foram triplicados em 2019, passando de R$ 500 milhões no ano passado para R$ 1,5 bilhão.

“Conseguimos fazer a licitação de três usinas de asfalto. Isso possibilita que a cidade tenha mil toneladas de asfalto por dia”, disse o secretário municipal das Subprefeituras, Alexandre Modonezi. A pasta é responsável pela manutenção e limpeza do espaço urbano.

Além de tapa-buracos, Modonezi também se comprometeu a ampliar equipes de corte de gramas, uma das queixas mais frequentes da população ao 156.

Os pedidos pendentes de remoção de veículos abandonados também devem ser zerados até o fim do ano, segundo o secretário. “Vamos homologar até sexta-feira uma licitação de guincho que vai permitir a remoção mais eficiente dos veículos”, disse.

Em 2018, a prefeitura atendeu somente 4 em cada 10 solicitações do tipo feitas pelo 156 - de quase 19 mil pedidos, pouco mais de 11 mil foram concluídos.

O secretário disse ainda que existem ações programadas para a remoção de lixo descartado irregularmente, outro campeão de reclamações no 156. “Intensificamos também trabalho para classificar como crime ambiental o descarte de resíduos de obras nas ruas”, disse Modonezi, classificando a questão como um dos grandes problemas da cidade.

Motoboys

O mapeamento e catalogação de 38.000 buracos nas ruas da capital foi concluído pela prefeitura na última sexta-feira, de acordo com o secretário das Subprefeituras, Alexandre Modonezi. A ação, realizada por motoboys contratados pelo município, foi orientada somente pelos protocolos abertos pela população no canal SP156 -não foram identificados novos buracos.

A cidade de São Paulo tem cerca de 17 mil quilômetros de vias, distribuídos entre mais de 48 mil logradouros. 

 

Modonezi declarou ontem em entrevista coletiva que, além de tapa-buracos, outras ações de zeladoria, como poda de árvore (campeã de reclamações ao 156 no ano passado) e limpeza de córregos e galerias serão prioritárias para a gestão.

A prefeitura já realiza serviços regulares em 12 corredores de grande circulação distribuídos pelas cinco regiões da cidade.

Mutirão de zeladoria

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), anunciou nesta quarta-feira (3) que será implementado o projeto Mutirão nos Bairros, que integra as ações de zeladoria já realizadas regularmente no município a serviços oferecidos por outras secretarias.

A prefeitura já faz a limpeza e conservação regulares em 12 corredores de grande movimentação da capital, uma espécie de “herança” do programa Cidade Linda, iniciado ainda na gestão de João Doria (PSDB).

A partir do próximo sábado (6), essas vias vão oferecer serviços das pastas de Assistência Social, Desenvolvimento e Trabalho, Direitos Humanos, Saúde, Cultura e da Pessoa com Deficiência.

O primeiro evento acontece na praça Felisberto Fernandes da Silva, em São Mateus (zona leste), das 9h às 15h.

“A prefeitura não cuida apenas da cidade, mas cuida das pessoas. Essas ações serão precedidas por visitas minhas aos bairros, que em seguida vão receber ações conjuntas”, afirmou o prefeito.

Na área de assistência social, a população terá acesso a informações sobre programas de transferência de renda e encaminhamento a outras políticas públicas.

A Secretaria de Direitos Humanos participa com unidades móveis que oferecem apoio e atendimento a população LGBT e mulheres vítimas de violência. Haverá ainda atendimento de ouvidoria no local. A população também pode buscar o mutirão para se vacinar contra febre amarela e outras doenças.

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.