Mulher morre com tiro na cabeça na Grande São Paulo

Companheiro, que teria fugido após o crime, é apontado como o principal suspeito

São Paulo

Sthephanie Cleude Neves da Silva, de 19 anos, foi morta com um tiro na cabeça, por volta das 3h deste domingo (10), dentro de sua casa em Osasco (Grande SP). O principal suspeito é o companheiro dela, um jovem de 21 anos, que teria fugido em seguida e não havia sido preso até a publicação desta reportagem.

Viatura da Polícia Militar em São Paulo - Danilo Verpa - 28.mai.18/Folhapress

Segundo a polícia, uma vizinha de Sthephanie, que não teve a identidade informada, afirmou que a vítima e o companheiro teriam brigado no interior da residência, no bairro Santa Fé, instantes antes do crime, que está sendo apontado pela polícia como feminicídio (quando a vítima é morta por ser mulher).

A testemunha afirmou que o acusado chegou a gritar para que a jovem “não se suicidasse”. Instantes depois, um tiro foi ouvido.

Após ouvir o disparo, a vizinha entrou na residência e amparou Sthephanie no colo, enquanto a Polícia Militar era acionada. Antes que policiais chegassem ao local, o companheiro da vítima fugiu. Sthepahie chegou a ser encaminhada à Unidade de Pronto Atendimento Vila Menck, mas ela não resistiu ao ferimento.

Apesar de a testemunha ter mencionado um suposto suicídio, o boletim de ocorrência do caso afirma que a vítima não estava com um ferimento na lateral da cabeça, “o que enfraquece a hipótese de suicídio”, diz trecho do documento policial - o local atingido pelo disparo não foi informado.

Segundo a SSP (Secretaria da Segurança Pública), gestão João Doria (PSDB), foram registrados 27 casos de feminicídio na Grande São Paulo entre janeiro e setembro deste ano. Isso representa 28,4% do total de 95 assassinatos de mulheres no período.

Comparando os 27 feminicídios deste ano com os 23 registrados entre janeiro e setembro do ano passado, também na Grande São Paulo, houve aumento de 17% neste tipo de crime na região.

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.