Descrição de chapéu Zona Leste

Hospital comprado na zona leste de SP há cinco anos está abandonado

Moradores de Ermelino Matarazzo protocolaram ofício pedindo reforma e reabertura do local

São Paulo

Moradores da região de Ermelino Matarazzo (zona leste) protocolaram um ofício na Secretaria Municipal de Saúde solicitando à gestão Bruno Covas (PSDB) a abertura do Hospital e Maternidade Menino Jesus.

O prédio, onde funcionou o hospital particular até a década de 1990, está abandonado desde 2014, quando o local foi adquirido pela prefeitura, sob a gestão de Fernando Haddad (PT), por R$ 2,5 milhões, em valores da época.

A gestão Bruno Covas (PSDB) diz pretende retomar a obra do hospital.

A reportagem esteve no local, na manhã desta terça-feira (12), constatando que o imóvel está cheio de infiltrações, mofo, com azulejos soltos e a área externa está tomada pelo mato alto.

A solicitação dos moradores para reabertura do hospital é por causa da pandemia do novo coronavírus.

Segundo o último balanço divulgado pela prefeitura, na semana passada, 41 pessoas morreram no distrito de Ermelino Matarazzo por causa da doença ou por suspeita de terem sido provocadas por ela.

Os moradores de Ermelino Matarazzo, na zona leste de São Paulo, solicitam a reabertura do Hospital e Maternidade Menino Jesus; local está abandonado - Rivaldo Gomes/Folhapress

A cada grupo de 100 ml habitantes, na região com quase 120 mil moradores, há um índice de 34,5 mortes por Covid-19 ou por casos investigados.

Atualmente, a única opção de atendimento público na região é o hospital Dr. Alípio Correia Neto, mais conhecido como hospital Ermelino Matarazzo.

A compra do Menino Jesus foi anunciada em 22 de outubro de 2014. Na ocasião, o governo municipal afirmou que iria realizar obras de adaptação na unidade, onde seriam realizadas cirurgias menores, deixando a demanda de procedimentos mais complexos para hospitais gerais.

Além disso, também foi afirmado à época que o hospital contaria com atendimento em mais de 25 tipos de especialidades médicas. Porém, nada disso foi feito até o momento.

Moradores da região afirmam que protocolaram o ofício à Secretaria Municipal de Saúde, com cópia ao Ministério Público de São Paulo. O MP, entretanto, não confirmou o recebimento da demanda, pois não a havia localizado até a publicação desta reportagem.

Local está cheio de ratos e baratas

O aposentado Cícero Batista, 66 anos, mora desde 1978 na região de Ermelino Matarazzo. Ele afirmou que o atraso para a reforma do hospital provoca revolta. "É triste ver um hospital abandonado no bairro, sendo que precisamos tanto, ainda mais com esse coronavírus aí", lamentou.

Batista acrescentou que, por causa do mato alto, baratas e ratos se proliferam dentro do imóvel abandonado e acabam indo para residências da região.

O aposentado Cicero Batista, 66 anos, no Hospital e Maternidade Menino Jesus, em Ermelino Matarazzo; moradores pedem reabertura da unidade - Rivaldo Gomes/Folhapress

O professor Samoel Fonseca, 38, é nascido e criado em Ermelino Matarazzo. Ele afirmou que o hospital Menino Jesus chegou a funcionar "um pouco", após a prefeitura comprar a unidade em 2014. Mas, em questão de meses, acabou fechado sem aviso, segundo ele.

"O abandono gerou focos de proliferação do mosquito da dengue e ocupação [irregular]. Foram gastos milhões no lugar, que está abandonado. Isso me deixa indignado", afirmou.

Resposta

A Prefeitura de São Paulo afirmou que o hospital Menino Jesus foi incluído, em 2019, no projeto Avança Saúde, com financiamento do Banco Interamericano de Desenvolvimento. O governo garantiu que o hospital será transformado em uma unidade CCI (Cuidados Continuados Integrados): "O projeto executivo foi concluído na última semana e será iniciado o processo de licitação para contratação das obras ainda neste mês."

O ex-prefeito Fernando Haddad (PT) afirmou, por meio de nota, que sua gestão teve problemas com repasses de verbas prometidas, na ocasião pelo governo federal, os quais "nunca se realizaram."

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.