São Paulo irá fechar leitos no hospital de campanha do Anhembi

Segundo a prefeitura, o encerramento das atividades acontece por conta da diminuição no número de casos

São Paulo

A Prefeitura de São Paulo irá fechar uma das alas do hospital municipal de campanha do Anhembi, na zona norte da capital paulista. O encerramento ocorre a partir do dia 1º de agosto. A medida foi anunciada, nesta quinta-feira (16), pelo prefeito Bruno Covas (PSDB).

De acordo com gestão municipal, o encerramento do setor ocorre por causa da desaceleração do número de casos de contaminação e de mortes pelo novo coronavírus na cidade, nos 96 distritos. O hospital do Anhembi foi montado em abril, exclusivamente para o tratamento de pessoas que tenham Covid-19.

O hospital conta com 807 leitos de enfermaria e 64 leitos de estabilização e uma outra área com 929 leitos para contingência, que nunca foram utilizados, segundo a prefeitura.

No local, 31 pessoas morreram e 4.452 se recuperaram da doença, segundo balanço da Secretaria Municipal da Saúde.

“Vamos reduzir a área em que tínhamos 871 leitos e passar a utilizar 310. Serão menos 561 leitos, o que deve gerar uma economia mensal, em agosto, de R$ 19 milhões, disse Covas. Segundo o prefeito, hospital do Anhembi, que tem um custeio mensal de R$ 28 milhões, passará para R$ 9 milhões ao mês.

Duas organizações sociais atuam na administração do local. A SPDM (Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina) e a IABAS (Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde), que deixará de atuar após o encerramento da ala em 1 de agosto.

A administração municipal afirma que apesar do fechamento dessa ala provisória, irá abrir 192 novos leitos permanentes em hospitais da cidade, entre eles o Hospital da Brasilândia, na zona norte, que deverá receber 132 leitos de enfermaria. Segundo Covas, grande parte dos equipamentos utilizados no Anhembi serão transferidos para o Hospital da Brasilândia.

“Dois terços dos funcionários que hoje estão no hospital de campanha do Anhembi, na ala que será desativada, serão reaproveitados na Brasilândia, em dois andares que serão abertos no início de agosto. O custeio mensal será de R$ 4,75 milhões”, afirmou. “Do total de 1.800 leitos, nós temos utilizado 871 leitos no Anhembi”, disse o prefeito.

O tucano afirma ainda que no dia 1º de agosto haverá a abertura dos primeiros 36 leitos, de um total e 60, no Hospital Sorocabana, na Lapa, na zona oeste.

A cidade de São Paulo soma cerca de 8.510 mortes provocadas pela Covid-19, quase 180 mil casos confirmados da doença e outros 300 mil casos suspeitos de contaminação pelo novo coronavírus, que estão em investigação.

A capital paulista apresenta uma taxa de ocupação dos leitos de UTI (Unidade de Tratamento Intensivo) de 67%. Este número tem se mantido estável em julho, segundo a secretaria.

A prefeitura já havia encerrado as atividades do hospital de campanha do Pacaembu (zona oeste de SP), no dia 29 de junho. O local tinha 200 leitos e foi o primeiro a entrar em funcionamento na cidade, em 6 de abril.

Polêmicas

O hospital de Anhembi também tem um histórico de polêmicas. No mês passado, o Cremesp (Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo), após uma vistoria, afirmou que o hospital de campanha apresentava situações que colocam em risco a saúde dos pacientes e dos profissionais de saúde.

Entre as falhas estão falta de equipamentos, desrespeito a protocolos de atendimento e problemas de higienização e desinfecção. O gerente médico da ala do hospital de campanha do Anhembi gerenciada pela Iabas, Emerson Santos da Silva, negou irregularidades e se disse surpreso com as denúncias.

​Os deputados Adriana Borgo (Pros), Marcio Nakashima (PDT), Leticia Aguiar (PSL), Coronel Telhada (PP) e Sargento Neri (Avante) forçaram a entrarada no local, no dia 4 de junho, para supostamente realizar uma vistoria.

Os parlamentares entraram, inclusive, em áreas consideradas de grande risco de contaminação. Com criticas ao governo paulista, eles questionavam os dados relativos ao número de mortes pela Covid-19 em São Paulo.

Na época, Covas afirmou que os parlamentares filmaram alas do hospital que ainda não tinham sido ativadas e divulgaram informações equivocadas. "Invadiram de maneira desrespeitosa, agredindo pacientes e funcionários verbal e moralmente", disse.

Os parlamentares denunciaram que havia leitos vazios no hospital.

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.