Confira as regras para tomar vacina na xepa em postos de saúde na cidade de São Paulo

Lista inclui pessoas com deficiência permanente acima de 18 anos, estagiários de saúde e pessoas com 50 anos de idade

São Paulo

Pessoas de 18 anos de idade com deficiência permanente, estagiários da área de saúde, independentemente do período de formação, e pessoas com 50 anos de idade podem se inscrever para a lista de espera para receber doses remanescentes da vacina contra a Covid-19 em unidades de saúde da cidade de São Paulo.

A inclusão de pessoas com 50 anos começou nesta terça-feira (8).

As regras de quem pode se inscrever são definidas pela Secretaria Municipal da Saúde, responsável por definir a vacinação na capital. As chamadas doses excedentes são aquelas que sobram em frascos abertos, mas não são aplicadas no público-alvo da campanha em horário próximo ao fechamento dos postos de saúde.

Atualmente os grupos prioritários da campanha são os seguintes: pessoas com deficiência permanente que recebem o BPC (Benefício de Prestação Continuada) entre 18 e 29 anos; pessoas com comorbidades entre 18 e 29 anos, e grávidas e puérperas a partir de 18 anos. A partir desta quarta-feira (9), o imunizante será fornecido também a trabalhadores da educação (ensino básico) entre 45 e 46 anos.

As vacinas da chamada xepa são as que foram abertas para atender a esses públicos, porém, como nem todos compareceram, as pessoas que se inscreveram são chamadas. O objetivo é o de utilizar essas doses para evitar desperdício de imunizantes, já que os frascos possuem 10 doses que, depois de abertos, vencem entre seis horas (no caso da AstraZeneca/Oxford) e oito horas (a Coronavac, da Sinovac/Butantan).

Por determinação da Prefeitura de São Paulo, nenhuma unidade de saúde tem autorização para jogar fora doses remanescentes. Diariamente são aplicadas entre 1.800 e 2.000 doses excedentes de vacinas contra a Covid-19 nas unidades de saúde.

Inscrição

Para se inscrever nas listas de espera, as pessoas com 50 anos que se encaixam nos requisitos deve procurar a unidade de saúde mais próxima de sua casa com comprovante de endereço, documento de identificação e informar um telefone para contato. É importante ser um número válido, já que é por intermédio dele que as equipes de saúde farão o contato caso haja sobras.

Para aqueles com 18 anos ou mais que sejam portadores de deficiência permanente e que não estão inscritos no BPC, é necessário levar um comprovante da deficiência, que pode ser laudo médico, cartão de gratuidade no transporte público, documentos que comprovem atendimento em centros especializados no atendimento de pessoas com deficiência ou documento de identidade que indique a deficiência.

Estagiários

Os estudantes que querem tentar a xepa devem levar, além do comprovante de matrícula, um comprovante de vínculo de estágio em locais tais como hospitais, clínicas, ambulatórios e laboratórios. A lista dos acadêmicos ou estudantes de cursos técnicos ou livres que que podem tentar se inscrever é a seguinte:

  • médicos;
  • enfermeiros;
  • técnicos e auxiliares de enfermagem;
  • instrumentadores cirúrgicos;
  • nutricionistas;
  • técnicos de nutrição;
  • fisioterapeutas;
  • terapeutas ocupacionais;
  • biólogos;
  • biomédicos;
  • técnicos de laboratório que façam coleta de RT PCR SARS CoV2 e análise de amostra de COVID19;
  • técnicos de raio-X;
  • farmacêuticos;
  • técnicos de farmácia;
  • odontólogos;
  • auxiliar de saúde bucal;
  • técnico de saúde bucal;
  • fonoaudiólogos;
  • psicólogos;
  • assistentes sociais;
  • profissionais da educação física;
  • médicos veterinários;
  • técnicos de medicina veterinária

A segunda dose para quem consegue a vacina pela xepa é garantida, já que no que no comprovante de vacinação não consta que a pessoa foi imunizada com dose remanescente.

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.