Descrição de chapéu Zona Leste

Professora e diretora de escola da zona leste de SP são mortas a caminho do trabalho

Polícia acredita que o carro em que elas estavam foi confundido com o veículo de um dono de posto de combustíveis que vinha atrás

São Paulo

Uma professora e uma diretora de uma escola municipal foram mortas a tiros, por volta das 6h40 desta segunda-feira (24), quando o carro em que estavam foi interceptado por ao menos três pessoas, segundo a Comunicação Social da Polícia Militar, na região de Guaianases (zona leste da capital paulista). Nenhum suspeito havia sido identificado ou preso até a publicação desta reportagem. Uma terceira mulher estava no veículo, mas não foi atingida.

De acordo com a polícia, a diretora Jéssica Aparecida Lopes Frazão , 31 anos, e a professora Marli Gomes de Lima Lana, 42, trabalhavam na CEI (Centro de Educação Infantil) Jardim Lapena, na zona leste. A outra mulher, de 33 anos, segundo a Secretaria Municipal da Educação, também trabalha na escola.

Jéssica Aparecida Lopes Frazão , 31 anos (à esq), diretora de escola municipal da zona leste de São Paulo, e a professora Marli Gomes de Lima Lana, 42 anos, que também dava aulas na mesma creche; as duas foram mortas a tiros na manhã desta segunda-feira (24) - Fotos: Arquivo pessoal


Segundo a PM, as três seguiam para a escola quando o carro em que estavam foi interceptado por um Volvo XV 60, preto, na altura do número 200 da avenida Professor Osvaldo de Oliveira. Três homens com armas longas desembarcaram do carro de luxo e atiraram “diversas vezes” contra o veículo das vítimas, ainda segundo a polícia. O trio de atiradores fugiu em seguida no mesmo veículo em que chegou.

As duas mulheres morreram no local e a terceira vítima “saiu ilesa”, de acordo com a Polícia Militar.

Conforme a polícia, após os tiros, um dos criminosos abriu o carro onde as vítimas estavam perguntando "cadê o dinheiro do posto?"

Essa informação reforça umas das principais linhas de investigação da Polícia Civil, de que os criminosos confundiram o Hyundai Tucson, ocupado pelas três vítimas, com o veículo do proprietário de um posto de combustíveis.

"Os criminosos ou pensaram que o carros das vítimas fazia a escolta do veículo do empresário [que seguia logo atrás] ou acharam se tratar do carro dele", explicou o delegado Gilbor Miter Júnior, do 63º DP (Vila Jacuí). "A perícia identificou 16 perfurações no carro das vítimas", afirmou o policial, acrescentando que foram encontradas cápsulas de fuzil calibre 556, além de munição calibre ponto 40.

Após perceberem ter atacado o carro errado, os bandidos abordaram o veículo do empresário e levaram cerca de R$ 40 mil.

O estabelecimento do empresa´rio, acrescentou a polícia, foi assaltado em 12 de abril, por suspeitos que ocupavam um Volvo semelhante ao usado no crime em que as duas mulheres foram mortas.

O Hyundai Tucson ocupado pelas duas mulheres chegou ao pátio da delegacia por volta das 16h30 desta segunda. Além do SUV, um Ford Fiesta também foi levado ao distrito. A polícia vai verificar se esse carro ajudou no apoio aos criminosos que atiraram contra as vítimas. Um terceiro veículo, um Ford Ka, é investigado pela polícia.

Jéssica dava carona diariamente às duas, que eram pegas na estação Antônio Gianetti Neto, da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos). Ambas moravam em Ferraz de Vasconcelos (Grande SP).

“Elas estavam no dia, lugar e hora errados”, afirmou o delegado.

Em uma rede social, a instituição de ensino disse que o atendimento estará suspenso até segunda ordem. "Avisaremos assim que tudo se normalizar”.

Estatísticas

Dados da Secretaria da Segurança Pública indicam que, entre janeiro e março deste ano, duas pessoas foram assassinadas na região onde houve o homicídio das professoras. Número semelhante ao mesmo período do ano anterior.

Já na capital paulista, no primeiro trimestre deste ano, 157 pessoas foram mortas, uma queda de 21% em relação ao mesmo período de 2020, quando 199 foram vítimas de homicídio na cidade.

Entre janeiro e março deste ano, ao menos 20 mulheres foram assassinadas na capital paulista, das quais 50% em crimes registrados como feminicídio. No estado foram, respectivamente, 101 e 43 casos, ainda segundo dados da SSP.

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.