Paulistanos procuram museus no feriadão em SP

Masp e Museu do Futebol são destinos também de visitantes de fora da cidade

São Paulo

Os museus foram os destinos favoritos de algumas pessoas durante a emenda do Dia de Corpus Christi, nesta sexta-feira (4). O feriado, que em alguns casos foi antecipado para o fim de março, seguiu o calendário normal e a data de descanso seguiu a mesma para quem trabalha nestes locais.

Um dos marcos da capital paulista e localizado no coração da avenida Paulista, o Masp (Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand), na Bela Vista (região central), recebeu muitos visitantes, limitando o número de pessoas, distribuindo álcool em gel e tornando obrigatório o uso de máscaras, como protocolos de segurança contra a Covid-19.

Como a exposição da pintora, gravadora e colagista Beatriz Milhazes sairá de cartaz do Masp neste domingo (6), muitos aproveitaram para ver as obras da artista. Entre os visitantes, Joanna Freeland, 50, do Panamby (zona sul), que é professora de inglês, aproveitou para levar o filho Leo, 12, que leu sobre a artista na escola.

“Aproveitei o feriado escolar do meu filho e meu também, e preferi esperar a emenda da data para vir ao museu. Meu filho estudou sobre a Beatriz Milhazes na escola e queria trazer ele para mostrar as obras. O museu estava muito tranquilo e foi ótimo”, diz Joanna.

Moradora da capital do Rio de Janeiro e visitando São Paulo pela primeira vez, Ariane Azevedo, 38, que trabalha com vendas, aproveitou para conhecer o museu com o marido Rodrigo, 39, e a filha Geovana, 14.

Kezia Pereira Pedroso, 29, da Cidade Tiradentes (zona leste), levou os dois sobrinhos Caio, 7, e Cauã, 10, para conhecer o Museu do Futebol, nesta sexta-feira (4), no Corpus Christi
Kezia Pereira Pedroso, 29, da Cidade Tiradentes (zona leste), levou os dois sobrinhos Caio, 7, e Cauã, 10, para conhecer o Museu do Futebol, nesta sexta-feira (4), no Corpus Christi - Rivaldo Gomes/Folhapress

“Primeira vez na cidade e no museu. Adorei conhecer o Masp, foi muito interessante. Eu não sabia que o museu tinha um acervo tão grande e com pintores como Vincent van Gogh. A gente imagina que só tem na Europa e achei bem incrível”, comenta Ariane.

Ainda no Masp, Roberta Guedes, 43, da Bela Vista (região central), gerente de produtos, foi convidada pela amiga Daniela, 45, para ver a mostra de Beatriz Milhazes.

“Meu chefe também manteve esse feriado e eu fui aproveitar visitando o Masp. Sou engenheira, mas amo arte e tenho um carinho muito grande pela parte artística. Também sou fotógrafa e foi ótimo o passeio”, destaca Roberta.

Joanna Freeland, 50, do Panamby (zona sul), aproveitou para levar o filho Leo, 12, ao Masp na exposição de Beatriz Milhazes
Joanna Freeland, 50, do Panamby (zona sul), aproveitou para levar o filho Leo, 12, ao Masp na exposição de Beatriz Milhazes - Rivaldo Gomes/Folhapress

Não muito longe do Masp, o Museu do Futebol, no Pacaembu (zona oeste de São Paulo), reforçou todos os protocolos de segurança contra o coronavírus e também recebeu visitantes nesta sexta.

De folga do trabalho, a analista de qualidade Kezia Pereira Pedroso, 29, moradora de Cidade Tiradentes (zona leste), levou os sobrinhos Caio, 7, e Cauã, 10, para conhecer o museu e o estádio pela primeira vez.

“É a primeira vez que nós três vamos lá. Foi ótimo! Eu particularmente gostei muito da parte histórica, enquanto eles se divertiram bastante na parte interativa e virtual. Gostei muito dos cuidados dos funcionários do lugar”, comenta Kezia.

Vindo de Belo Horizonte, Minas Gerais, Guilherme Sathler, 29, e a esposa Carolina, 28, dentista, mantiveram a tradição de conhecer estádios pelo Brasil e foram ao Museu do Futebol, no Pacaembu (zona oeste)
Vindo de Belo Horizonte, Minas Gerais, Guilherme Sathler, 29, e a esposa Carolina, 28, dentista, mantiveram a tradição de conhecer estádios pelo Brasil e foram ao Museu do Futebol, no Pacaembu (zona oeste) - Rivaldo Gomes/Folhapress

Vindo de Belo Horizonte, Minas Gerais, Guilherme Sathler, 29, que é engenheiro civil, e a esposa Carolina, 28, dentista, mantiveram a tradição de conhecer estádios pelo Brasil sempre que visitam uma cidade nova.

“Gosto bastante de futebol e a experiência foi muito boa. O ponto que destaco muito é a atenção deles com os protocolos de segurança contra a Covid-19, eles são bem cuidadosos, com placar, orientação verbal e cabines individuais. Foi muito bacana a mistura da tecnologia no museu, também a ênfase em relação ao futebol feminino”, diz Guilherme, que destacou que estava indo para o Masp na sequência.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.