Novo Toyota RAV4 é híbrido para consumir igual 1.0

Utilitário esportivo tem um motor a gasolina e três elétricos

Fernando Pedroso
São Paulo

Um utilitário esportivo médio, equipado com um motor 2.5 a gasolina de 178 cv com câmbio CVT simulando sete marchas, seria normalmente associado ao alto consumo de combustível, mas não é o que acontece com o novo Toyota RAV4.

Isso porque nessa nova geração ele é vendido no Brasil somente em sua versão híbrida, ou seja, traz motores elétricos para poupar um pouco a gasolina. No teste do Agora, o consumo ficou na média de 14,1 km/l, como se fosse um carro 1.0.

E motores no plural porque eles são três. São dois ligados ao eixo dianteiro e um ao traseiro, fazendo do novo RAV4 um 4x4. De uso leve, claro.

Em baixas velocidades, normalmente na cidade, o SUV pode rodar longos trechos sem ligar o 2.5 a gasolina. Ele só é acionado quando a bateria fica com a carga baixa ou quando o motorista exige mais do pedal do acelerador.

Com os quatro motores acionados, a potência somada chega a 222 cv.

No caso deste sistema híbrido, que vai ter também no novo Corolla que chega ainda neste ano, a bateria não precisa ser carregada em tomada (leia mais no quadro ao lado).

Além de gastar pouco, o RAV4 atende o que se espera de um SUV dessa categoria. Tem porte imponente, bom espaço interno e acabamento caprichado, com muito couro claro e peças emborrachadas.

O susto vem na hora de assinar o cheque. A versão mais em conta é a S, de R$ 167.990 já com sete airbags, ar-condicionado digital de duas zonas de temperatura, multimídia, rodas 18", entre outros.

A versão SX acrescenta teto solar panorâmico, porta-malas com abertura elétrica e sensor abaixo do para-choque (basta passar o pé por baixo para abri-lo), pacote de direção semi-autônoma com piloto automático adaptativo e alerta de mudança de faixa e carregador de celular por indução. Sobe para R$ 186.990.

Como funciona

  • Quatro motores - O Toyota RAV4 tem um motor 2.5 a gasolina e outros três elétricos. Dois são ligados ao eixo dianteiro e outro ao traseiro, fornecendo tração nas quatro rodas
  • Sem carga - A bateria não precisa ser recarregada. O próprio motor a gasolina cuida do abastecimento quando a carga está baixa. Outra fonte de energia é o sistema de freio e a desaceleração, aproveitando o atrito dos pneus
  • Modo elétrico - Em baixas velocidades, é possível usar apenas os motores elétricos para economizar combustível

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.