Várias combinações climáticas causaram a tragédia no litoral de SP

Um dos fatores foi a umidade vinda por um corredor da Amazônia

Fábio Munhoz
São Paulo

Uma série de combinações climáticas provocou o alto volume de chuvas que atingiu a Baixada Santista na noite de segunda-feira (2) e na madrugada de terça. 

A meteorologista Doris Palma, da Somar, afirma que há um corredor de umidade que vem da Amazônia, passando pela região Centro-Oeste até chegar ao Sudeste. Segundo ela, essa condição se associou à baixa pressão atmosférica no litoral, entre São Paulo e o Rio de Janeiro. 

"Essa combinação favorece a formação de nuvens carregadas e pancadas de chuvas", afirma.

O professor de Meteorologia Ricardo de Camargo, do IAG (Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas) da USP (Universidade de São Paulo), acrescenta que houve a formação de um ciclone entre o Sul e o Sudeste, o que "organizou o escoamento da umidade vinda do continente".

Os especialistas afirmam que ainda é precipitado atribuir as tragédias na Baixada às mudanças climáticas observadas no planeta. O professor Augusto José Pereira Filho, também do IAG-USP, cita que esse tipo de ocorrência é comum no verão brasileiro.

"O ar úmido do mar é transportado em direção à escarpa da Serra do Mar. Este 'paredão' faz com que o ar úmido se eleve", explica Pereira Filho. 

O especialista diz que as correntes na alta atmosfera geram instabilidade com a elevação do ar, "o que produz ascensão mais intensa sobre a Serra do Mar e haja chuva forte sobre a região e seu entorno".

Desde a última segunda-feira, a Defesa Civil do estado alertava para a possibilidade de fortes chuvas no litoral paulista.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.