Descrição de chapéu tecnologia chuva

São Bernardo do Campo ganha sensores em rios para prevenir enchentes

Equipamento mede o nível da água na cidade do ABC e antecipa cenários de possíveis ocorrências após chuvas fortes

São Paulo

Moradores de São Bernardo do Campo (ABC) firmaram parceria com o Instituto Mauá de Tecnologia para implantar sensores que monitoram o nível dos rios e córregos da região. O objetivo do projeto é auxiliar na prevenção de enchentes e alagamentos.

A iniciativa da Associação de Moradores do Jardim Orlandina teve apoio da prefeitura, gestão Orlando Morando (PSDB). Dois sensores foram instalados na cidade em janeiro deste ano para realizar a análise das águas do ribeirão dos Meninos, que corta o bairro Jardim Orlandina, e a estação elevatória Vila Vivaldi.

"Houve uma necessidade de entender o comportamento do rio para que a gente pudesse, primeiro, criar alertas para a defesa civil e para a população. Em segundo lugar, entender como é que o rio se comporta ao longo das chuvas e poder predizer quando não está mais fluindo da forma certa", explica Fernando Martins, professor responsável pela Divisão de Eletrônica e Telecomunicações do Centro de Pesquisas do Instituto Mauá de Tecnologia.

Sensor monitora o comportamento do nível das águas do ribeirão dos Meninos, rio que corta os bairros Jd. Orlandina e atravessa a estação elevatória Vila Vivaldi, em São Bernardo do Campo (ABC). - Ronny Santos/ Folhapress

O equipamento mede a altura das águas e gera dados que podem antecipar cenários de risco. Assim, é possível detectar, por exemplo, uma necessidade de limpeza e localizar pontos de obstrução nos cursos d' água.

"Nós simplesmente medimos a altura do rio a cada tantos minutos para que a gente consiga observar, quando a chuva torrencial acontece, como o rio enche e como ele se esvazia", esclarece Martins.

Os sensores não precisam da infraestrutura de fios e tomadas e consomem pouca energia, pois são capazes de serem alimentados por energia solar e baterias. No instituto, uma antena capta o sinal dos equipamentos e os dados coletados são enviados para uma plataforma virtual.

No caso de São Bernardo, o custo de instalação de cada sensor foi de cerca de R$ 550 e o sistema de comunicação é todo integrado às tecnologias já existentes no instituto.

"Estamos fazendo uma parceria agora com São Bernardo e São Caetano [também no ABC] para aumentar o número de sensores e tentar ver como é o fluxo do alagamento, como podemos ter um sistema de previsão com alarme, para garantir que não tenhamos mais óbitos, como aconteceu em anos passados", acrescenta o professor do insti.tuto.

A perspectiva agora é criar uma comissão regional para atuar na expansão do sistema de sensores e no aperfeiçoamento da coleta de dados para um melhor entendimento da rede fluvial.

O professor reforça a importância desta união entre o instituto e do poder público. "O que a gente entende aqui é da engenharia e da matemática, e lá eles entendem do que realmente o que a população precisa", diz Martins.

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.