Descrição de chapéu Defesa do Cidadão

Bilhete Único fica sem o crédito

Valor de vale-transporte foi parar em cartão vencido há meses por falta de uso

Ana Paula Branco Havolene Valinhos
São Paulo

A secretária Gláucia Carvalho, 40 anos, de Pirituba (zona norte), conta que a empresa onde trabalha passou a creditar o vale-transporte no Bilhete Único, e a SPTrans colocou o valor em um cartão que está vencido há oito meses por falta de utilização.

Gláucia Carvalho, 40 anos, está pagando as passagens, porque SPTrans colocou o crédito do vale-transporte no cartão errado
Gláucia Carvalho, 40 anos, está pagando as passagens, porque SPTrans colocou o crédito do vale-transporte no cartão errado - Gabriela Di Bella -14.jan.2016/Folhapress

“Querem que eu peça outro cartão, mesmo eu já tendo o do modelo novo, que foi emitido em agosto, e que eu pague o valor de sete tarifas, ou seja, R$ 30,10, para transferir o saldo”, diz.

“Estou desde o dia 1º de abril pagando a condução do meu bolso. É absurdo. Eles não cancelam os cartões vencidos, emitem novos e os trabalhadores que têm que arcar com os custos?”

SPTrans
Tel.: 156

SPTrans conclui a restituição

A SPTrans informa que a leitora compareceu ao posto central da empresa, no dia 24 deste mês, onde foram feitas a restituição dos créditos do Bilhete Único de forma gratuita e a inativação do cartão antigo.

Ao Agora a leitora confirmou as informações. “Eles me ligaram logo depois que reclamei ao jornal e foram muito atenciosos. No posto, cancelaram o cartão anterior e transferiram na hora o valor para o cartão que estou utilizando”, disse Gláucia Carvalho.

Veja outras reclamações

Vivo

O contabilista Zenaldo Pereira Souza, 58 anos, de Capão Redondo (zona sul), afirma que a Vivo tem ligado insistentemente para cobrar uma conta paga com atraso. “A fatura da Vivo TV venceu no dia 12 de janeiro e eu paguei dois dias depois. Já enviei diversas vezes o comprovante de pagamento e continuam me cobrando. É uma falta de respeito.”

Resposta

A Vivo esclarece, por meio de nota de sua assessoria de imprensa, que o pagamento já foi localizado e o cliente não está mais recebendo chamadas de cobrança. Ao Agora o leitor confirmou o fim das ligações. “Pararam logo depois que eu reclamei ao jornal”, contou.

Marabraz

A assistente Cícera Marlene da Rocha, 41 anos, de Barueri (Grande SP), afirma que comprou um colchão na Marabraz, em janeiro, mas não o recebeu. De acordo com a leitora, a data inicial de entrega era o dia 7 de março. “Já enviei vários emails questionando e a resposta da loja é sempre de que vão encaminhar para a área responsável. O colchão está pago.”

Resposta

A Marabraz diz que lamenta o ocorrido e informa que a mercadoria foi entregue. A empresa reforça ainda seu compromisso em melhorar cada vez mais seus serviços para proporcionar a melhor experiência de compra aos seus clientes e afirma estar à disposição.

TIM

Em janeiro, Alexandre Adriano Bargas recebeu ligação da TIM, oferecendo 6 Gigabytes por R$ 35, mesmo valor que ele pagava por 4,5 gigas. No entanto, ainda segundo o leitor, no mês seguinte, a fatura foi de R$ 44,99. “Não paguei e reclamei, mas nunca consegui resposta. No mês passado, a conta foi de R$ 117. É muita falta de respeito.”

Resposta

A TIM esclarece, por meio de sua assessoria de imprensa, que seu centro de relacionamento com o cliente entrou em contato com o leitor, que disse que o problema foi solucionado. A operadora diz estar à disposição para quaisquer dúvidas.

Claro

O aposentado Francisco Chagas de Sousa, 77 anos, do Conjunto Habitacional Padre Manoel de Paiva (zona leste), tem uma linha pré-paga da Claro e diz que a operadora deveria creditar R$ 150 após um acordo com o Procon. Porém, em vez disso, o serviço foi cancelado. “Perguntei o motivo de terem cancelado e disseram que foi por falta de crédito”, reclama. 

Resposta

A Claro informa que entrou em contato com o cliente e regularizou a situação. A operadora diz ainda estar à disposição por meio de todos os canais de atendimento disponibilizados: SAC 1052, fale conosco, chat, atendimento por carta e site www.claro.com.br.

Taboão da Serra

Aroldo Borges, de Taboão da Serra (Grande SP), é deficiente físico e, após procurar a Secretaria de Saúde de sua cidade, passou a utilizar o serviço de ambulância. Ele diz que um dos motoristas explicou a necessidade de estar acompanhado. “O funcionário disse que se eu tiver um problema de saúde não poderá me acompanhar até a unidade de saúde.”

Resposta

A Secretaria Municipal de Saúde de Taboão da Serra esclarece, por meio de nota de sua assessoria de imprensa, que o paciente já foi orientado pelas equipes técnicas da pasta sobre a necessidade de ter um acompanhante para auxiliá-lo em suas idas às consultas.
 

Subprefeitura da Sé

O aposentado Devanir Amâncio, da Sé (região central), diz que, há cerca de 15 dias, uma árvore caiu na rua Guararapes, no Brooklin (zona sul). Segundo o leitor, até o momento, a Prefeitura de São Paulo não tomou as devidas providências. “Ela continua atrapalhando os pedestres. A árvore ocupa toda a calçada”, queixa-se o leitor à reportagem.

Resposta

A Subprefeitura Pinheiros informa, por meio de nota de sua assessoria de imprensa, que a árvore citada será retirada ainda nesta semana. Em novo contato com o Agora, o leitor Devanir Amâncio disse aguardar a solução definitiva para o caso.

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.