Descrição de chapéu Zona Norte

Comerciante é morto a caminho do trabalho na zona norte de SP

Vítima de 54 anos levou dois tiros no peito, foi socorrido e morreu no hospital

São Paulo

Um comerciante de 54 anos foi encontrado ferido com dois tiros na região do peito, no banco do passageiro do próprio carro, no início da manhã desta terça-feira (17), na região do Jaraguá (zona norte da capital paulista). A polícia investiga quem estaria dirigindo o veículo.

Marcelo Batista Camargo foi socorrido por uma unidade de resgate dos bombeiros, que o encaminhou até o hospital geral de Taipas, onde ele morreu. Nenhum suspeito havia sido identificado ou preso pela polícia até a publicação desta reportagem.

O filho da vítima, um analista de sistemas de 32 anos, afirmou em depoimento que o pai trabalhava no ramo de confecções de roupas, tendo uma loja na região do Brás (centro). A vítima morava em Pirituba, na zona oeste.

Por causa da loja, ainda segundo o filho, Camargo terceirizava o serviço de costura de roupas, indo diariamente até o Jaraguá, entre 4h e 5h, onde pegava itens com uma costureira. Não foi informado se a mulher já prestou depoimento à polícia.

O comerciante Marcelo Batista Camargo, 54 anos, morreu após ser ferido com dois tiros no peito, quando ia para sua loja de roupa, no centro da capital paulista, na madrugada de terça-feira (17). Nenhum objeto dele foi levado. As circunstâncias e motivação do crime são investigadas pela polícia - Arquivo Pessoal

O filho acredita que o crime ocorreu após o pai sair da costureira com destino à loja na região do Brás, ainda de acordo com o que foi relatado à Polícia Civil.

O carro de Camargo, um Volkswagen Gol, foi localizado por policiais militares dentro de um terreno. O veículo teria quebrado, com a traseira, parte de um muro na rua Vila Velha.

As circunstâncias da colisão, assim como o fato de a vítima estar no banco do passageiro do próprio carro, com dois tiros no peito, são investigadas pelo 74º DP (Jaraguá).

Ainda durante depoimento, o filho de Camargo afirmou que o pai "não tinha inimizades ou desavenças, e o mesmo [vítima], saía todos dias saía de casa por volta das quatro da madrugada para buscar roupas na costureira", diz trecho das declarações.

A Polícia Científica fez a perícia o carro, com o intuito de localizar impressões digitais que possam ajudar a identificar uma eventual segunda pessoa que ocupava o carro juntamente com a vítima.

Nenhum objeto do comerciante foi levado, ainda segundo polícia. O caso foi registrado como homicídio simples.

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.