Capital paulista tem aumento de 12,4% na coleta seletiva durante a pandemia

Descarte de lixo hospitalar também teve crescimento por causa do alto número de pacientes com Covid

São Paulo

Entre março de 2020 e fevereiro de 2021, a capital paulista registrou um aumento de 12,4% no volume de resíduos retirados pela coleta seletiva na comparação com o mesmo período do ano anterior, quando a pandemia de Covid-19 ainda não havia começado. Os dados são da Amlurb (Autoridade Municipal de Limpeza Urbana), ligada à Prefeitura de São Paulo, gestão Bruno Covas (PSDB).

Em números absolutos, o total de lixo reciclável coletado passou de 82,4 mil para 92,6 mil toneladas - 10,2 mil toneladas a mais do que o ano anterior.

Funcionária faz a triagem de resíduos em central da prefeitura na zona sul de São Paulo - Rivaldo Gomes/Folhapress

Para o gerente de informação e pesquisa da Amlurb, Túlio Rossetti, o aumento na coleta seletiva durante a pandemia está relacionado às medidas de prevenção contra o coronavírus, como o isolamento social. "As pessoas ficaram mais em casa e passaram a gerar mais resíduos. Houve um maior consumo de embalagens por causa do delivery, por exemplo", comenta.

Rossetti avalia ainda que, ficando em casa, as pessoas se conscientizaram mais sobre a importância da coleta seletiva, justamente por ver o grande volume de resíduo gerado. "Aí passaram a separar melhor o lixo, em vez de jogar tudo no comum", acrescenta.

Por fim, Rossetti comenta que, ao ficar em casa, os cidadãos passaram a conhecer melhor a rotina da coleta de recicláveis, o que contribuiu para elevar o volume de captação. Isso porque as equipes de coleta seletiva passam nas ruas em um dia específico (que varia de acordo com o bairro). Para verificar os dias, é necessário acessar o site da prefeitura. "Não adianta colocar o lixo tudo junto lá fora", afirma.

Em contrapartida, o volume de lixo residencial comum teve queda de 2% entre março de 2020 e fevereiro de 2021 ante o mesmo período do ano anterior. Para Rossetti, essa diminuição está atrelada ao aumento da coleta seletiva, já que, segundo ele, grande parte do lixo que antes era descartada como comum passou a ser separada e encaminhada como reciclável.

O gerente da Amlurb explica que, no caso da coleta seletiva feita em São Paulo, é necessário somente separar os resíduos orgânicos dos recicláveis, mas não é preciso sacolas diferentes para cada tipo de lixo, como latas, plásticos e papéis, por exemplo. Os recicláveis, no entanto, devem ser limpos para que possam ser aproveitados.

Após a coleta, os resíduos recicláveis são encaminhados para 25 cooperativas espalhadas pela cidade, que fazem a triagem e dão a destinação adequada. O que não é captado pelas cooperativas vai para duas mega centrais automatizadas da prefeitura, uma no Canindé (região central) e uma na Vila Sabará (zona sul). Cada uma delas tem capacidade para processar 250 toneladas de lixo por dia. Cerca de 60% do que é coletado é, de fato, reciclado.

Varrição de ruas

Outro efeito da pandemia é a redução na quantidade de lixo recolhida nas varrições de ruas, que teve uma queda de 10,4% no período, passando de 79,9 mil para 71,6 mil toneladas.

Na opinião do gerente da Amlurb, esse dado também é consequência da quarentena, pois, com menos gente circulando pelas vias públicas, cai a quantidade de lixo acumulado.

"Mas isso não quer dizer que se deixou de varrer. Pelo contrário: teve mais varrição, mas com menos lixo retirado", pondera.

Lixo hospitalar

A pandemia de Covid-19 também provocou um aumento de 17% na quantidade de lixo hospitalar retirada de grandes geradores de resíduos (que descartam mais de 20 quilos por dia). Nos 12 meses antes da pandemia, o total recolhido foi de 33,4 mil toneladas, passando para 39 mil toneladas entre março de 2020 e fevereiro de 2021.

Para Rossetti, a elevação está ligada não somente à alta no número de internações provocadas pelo coronavírus, mas também a uma mudança na destinação do lixo vindo dos hospitais, em razão de uma determinação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

No início do ano passado, a Anvisa publicou uma nota técnica com protocolos relacionados ao coronavírus. A resolução definiu que todos os materiais que tiveram contato com pessoas com Covid-19 têm de ser descartados como lixo hospitalar, mesmo que não sejam itens médicos. Ou seja, um copo descartável usado pelo paciente, por exemplo, que antes poderia ser jogado como lixo comum, agora tem de ser colocado no resíduo hospitalar.

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.